São muitos os atletas que se empenham em melhorar as suas condições físicas antes de uma competição. No entanto, poucos deles conhecem a importância de usar a psicologia no esporte a fim de preparar a mente para os exercícios. 

Durante os treinos de ciclismo, milhares de pensamentos rondam a cabeça de um atleta, certo? Se não forem planejados e treinados, eles podem ser extremamente prejudiciais. 

Para exemplificar, imagine a seguinte situação: você está no meio de um percurso e o seu corpo começa a manifestar sinais de cansaço e dores. Imediatamente, o organismo manda um sinal para o cérebro indicando que você não vai aguentar mais.

Caso a mente esteja preparada e controlada para resistir a essa mensagem, o corpo receberá um novo estímulo e uma nova forma de comando, mostrando ao atleta que ele é capaz de resistir.

Ficou interessado no assunto? Então, conheça como funciona a psicologia no esporte e acompanhe as nossas dicas para você preparar a sua mente antes dos treinos! 

Qual a importância da psicologia no esporte?

Segundo um estudo de psicologia esportiva, as técnicas de treinamento só são eficazes quando partem dos próprios atletas. Além disso, eles precisam compreender bem a técnica a fim de adquirir vontade de atingir os objetivos. 

Por isso, antes de você saber como colocar em prática a preparação mental, é preciso entender o que é, de fato, psicologia no esporte. Com o objetivo de melhorar o desempenho esportivo, a ciência estuda os pensamentos e comportamentos relevantes dos atletas durante algum esporte ou exercício.

O intuito é trabalhar os pensamentos e controlar as emoções, fazendo com que o indivíduo encontre o estado mental que lhe possibilite o melhor desempenho. É claro que o ideal é fazer um treinamento com um profissional.

No entanto, alguns exercícios simples podem ser feitos em casa. Para ajudá-lo, separamos algumas dicas para preparar a sua mente. Veja!

Quais estratégias mentais posso começar a adotar?

Se você deseja melhorar o seu rendimento por meio da preparação psicológica, o primeiro passo é prestar atenção nos seus pensamentos durante os exercícios.

Feito isso, existem duas técnicas capazes de organizar a sua mente. Conheça-as:

Associação

Nessa técnica, o atleta deverá agir antes das sensações corporais que podem afetar o desempenho — como dor ou cansaço. Como? Por meio de uma série de exercícios que priorizem o seu controle sobre o corpo. Confira alguns deles.

  • respiração: ao expirar, tente libertar toda a tensão do seu corpo. Além disso, controle o ritmo da respiração para que ela seja compatível com o nível de dificuldade do exercício;
  • relaxamento: durante um treino, preste atenção em todo o seu corpo, identificando as áreas de tensão. Feito isso, foque em uma palavra (como “solte-se”) e tente deixar a tensão fluir para fora dos músculos;
  • noção de ritmo: de acordo com as sensações obtidas por meio do monitoramento do corpo, aumente (ou diminua) o ritmo quando sentir-se confortável.

Dissociação

Na dissociação, o atleta deverá usar recursos para diminuir as sensações de fadiga e dor. O objetivo é fazer com que a mente se distraia e foque em outras coisas, como uma música. Aprenda como colocar a técnica em prática:

  • música: treine escutando alguma que lhe proporcione pensamentos positivos;
  • contagem: faça um jogo com a sua mente e comece a contar alguma coisa em específico. Pode ser quantos carros pretos há no percurso, postes de eletricidade, crianças, enfim… O que a sua imaginação mandar;
  • fantasia: fuja dos pensamentos relacionados ao seu trabalho ou às relações pessoais e imagine que está realizando algum sonho, por exemplo, como seria a decoração de sua casa própria ou como gastaria o prêmio de uma loteria.

Associação X dissociação

Talvez você esteja se perguntando qual das duas estratégias é mais eficaz, certo? A verdade é que não há uma melhor do que a outra. Os atletas de elite costumam alternar as duas táticas durante os treinos e as competições de ciclismo

No entanto, podemos afirmar que a associação costuma obter resultados mais satisfatórios em treinos intensos, como uma corrida rápida de bicicleta. Já a dissociação está mais relacionada a exercícios um pouco mais leves. 

Como lidar com a dor intensa?

Por mais que tentemos distrair a mente, sabemos que ao final de algumas competições a dor fica quase insuportável. Os quilômetros finais nunca são fáceis e saber como lidar com eles é fundamental. 

Durante os momentos críticos de um percurso, os atletas profissionais costumam focar em aspectos específicos de sua performance, como a mecânica da pedalada, a estratégia da corrida ou a respiração. 

Além dessas ações, existem algumas estratégias que você pode adotar para diminuir a dor. A primeira delas é jamais pensar em quantos quilômetros ainda restam. Isso porque, dependendo do seu estado, apenas 3 km podem se tornar um tormento. 

A automotivação também é fundamental. Pense no quanto você é capaz, no quanto se preparou e lembre-se de quais são as suas metas reais. A partir daí, fale frases positivas a si mesmo, ressaltando as suas qualidades e capacidades. 

Para que tudo isso seja realmente eficaz, a psicologia no esporte também destaca a importância de preparar a mente antes mesmo de a competição começar. Veja como:

Ensaie mentalmente a competição

Além de treinar a sua condição física, é importante que a mente esteja preparada para aquela competição específica. Faça uma visualização mental da corrida e imagine as sensações que poderão ocorrer durante o percurso.

Elabore um plano de estratégias mentais

Uma vez sabendo quais as sensações que poderão se manifestar durante a corrida, elabore um plano das estratégias mentais. Esteja preparado para o início, o meio e o fim da competição. Desse modo, você saberá exatamente como responder aos estímulos dados pelo corpo.

Visualize os momentos de dor 

Ao visualizar mentalmente a competição, não se esqueça de dar atenção especial aos possíveis momentos de dor e fadiga. Feito isso, simule estratégias e ensine a mente como agir.

Se o nosso artigo sobre a psicologia no esporte foi útil para você, compartilhe-o em suas redes sociais e ajude outros ciclistas a melhorarem a performance!