Nas últimas décadas, o valor de uma bike speed vem se tornando mais atrativo, facilitando o acesso a muitas daquelas tecnologias avançadas vistas no Tour de France, no Giro d’Italia e na Vuelta a España.

Porém, ao pesquisar a bike speed ideal para suas necessidades e começar com o ciclismo de estrada, a variedade de modelos disponíveis — com materiais e componentes dos mais diversos — pode ser intimidadora na hora da escolha.

Descubra, neste post, o que considerar ao comprar sua bike speed e como investir seu dinheiro da melhor forma!

Os objetivos

Cada ciclista tem seus próprios objetivos relacionados ao desempenho. Sendo assim, o ideal é que você tenha bem claro consigo o que almeja com aquela bike.

Até onde você pretende investir? Quais são os motivos de comprar necessariamente uma speed e não outro modelo? Para que você vai utilizá-la? Em quais locais você quer pedalar com frequência?

Basta considerar que diferentes usos exigem bicicletas distintas. Se você quer fazer longas viagens, precisa de um equipamento totalmente diferente do atleta que deseja competir em alto nível.

Portanto, saiba exatamente o que você deseja e espera de sua nova bicicleta. Ela precisa satisfazer seus anseios esportivos, seja lá qual for seu nível de prática e experiência.

O orçamento disponível

Em primeiro lugar, defina o quanto você pode e quer gastar na sua bike. Não existem valores exatos de investimento, porém, é certo que, quanto mais moderna e bem equipada, mais cara ela será.

Hoje em dia, é possível encontrar bons modelos de bike speed por preços razoáveis. Dessa forma, não se desespere, faça uma projeção do valor a investir e comece sua pesquisa a partir daí. Pouco a pouco você encontrará um modelo que satisfaça sem ferir o seu bolso.

O local de compra

Atualmente, grande parte das fabricantes se vale de preços tabelados para quantificar o valor de seus produtos. Dessa forma, é bem capaz que você encontre bikes iguais com preços semelhantes em estabelecimentos distintos.

O que você precisa considerar nessa hora é a assistência que a loja pode oferecer. Seja em termos de manutenção ou reposição de peças. A garantia também é outro fator a ser tratado como prioridade.

Para evitar futuras dores de cabeça com um bem pelo qual você preza, dê preferência ao atendimento personalizado. As lojas que têm facilidades de importação e afins saem na frente, pois são elas que entrarão em contato com as marcas caso você precise de algo específico.

Vale muito a pena gastar um pouco mais para ter acesso a uma assistência que te valorize enquanto cliente. Às vezes, nem isso é necessário, já que você pode combinar o melhor preço ao comércio melhor estruturado. Opte por quem está há mais tempo no mercado e tem tradição no assunto.

O material do quadro da bike speed

O quadro, coração da bike, pode ser feito a partir de uma grande variedade de materiais, sendo os mais comuns alumínio, aço titânio e fibra de carbono, cada um com suas propriedades.

O uso do alumínio representa uma considerável redução de peso em relação ao aço, que hoje é mais utilizado em bikes personalizadas e por meio de ligas bem diferentes das de décadas atrás, inoxidáveis e não tão pesadas.

O titânio oferece uma combinação de leveza de alumínio e resistência de aço, é extremamente resistente a corrosões e continua com o preço um pouco elevado pela dificuldade que oferece em ser trabalhado. Além de não ser tão comum a sua comercialização.

Já um quadro com fibra de carbono apresenta diversas qualidades, como o baixo peso, a eficiência na absorção de vibrações e impactos e a confiabilidade. Isso, por outro lado, pode fazê-lo estourar seu orçamento inicial, sendo que o próprio alumínio não fica tão atrás e sai muito mais em conta, no geral.

Fato é que cada um deles tem suas vantagens e desvantagens. Analise-as com paciência antes de escolher.

As proporções

Como o dimensionamento tende a variar conforme o fabricante, é indispensável procurar a bike do tamanho certo para o seu corpo testando na loja — não apenas checando os quadros de referência.

Hoje, existem métodos de medição para adaptar a bicicleta ao ciclista. O Bike Fit é uma realidade na maioria das bike shops e é indispensável para a prática do ciclismo.

Afinal, você não deseja ter problemas de saúde por praticar uma atividade que tanto gosta, não é mesmo?

Os componentes

Comprando sua bike pronta ou montando-a conjunto por conjunto, considere a qualidade e o tipo dos principais componentes, como o grupo e as rodas:

  • verifique se o grupo de componentes está em bom estado. Desgaste da corrente, da engrenagem traseira, cabos, conduítes: tudo isso deve estar de acordo com a proposta e valor da bicicleta a ser escolhida;
  • prefira marcas já conceituadas. Analise o tipo de terreno que vai pedalar, a frequência dos seus treinos, pois uma roda extremamente leve, por exemplo, pode não ser a melhor escolha para um treino diário;
  • dependendo dos locais onde você for pedalar, um bom amortecimento é imprescindível. Lidar com o impacto sem a devida suspensão pode prejudicá-lo na prova e até mesmo causar lesões.

Você deve pensar na combinação ideal de cada uma das peças, porque elas são complementares. Sabendo exatamente de seus objetivos, é preciso que você analise o todo, o conjunto que é oferecido. Ele precisa atender suas expectativas em relação à performance.

As marchas

Muitas vezes fica a impressão de que uma boa bike necessariamente tem incontáveis marchas. A realidade, no entanto, não é bem assim. Você não precisa ter uma incrível disponibilidade de marcha se a sua intenção for pedalar em terrenos planos e retos.

A propaganda de “quanto mais marchas, melhor” não é verdadeira. Às vezes, um investimento em 11 velocidades não se justifica, de modo que você poderia redirecioná-lo a um melhor sistema de freios, por exemplo.

Seu perfil deve ser decisivo nesse momento. Questione-se se você de fato precisa contar com tantas variações e quais são as suas razões para tal. Aliás, esse parâmetro pode ser utilizado em todo o processo de aquisição, para que você não corra o risco de ficar insatisfeito com o que comprou.

O design da bike speed

Duas bicicletas podem ser construídas do mesmo material e ainda terem comportamentos na estrada completamente diferentes devido ao design de cada uma.

Em relação ao desenho do quadro, existe a divisão entre os tradicionais (de geometria reta, com o top tube paralelo ao chão) e os sloping (com o top tube curvo), que é o design seguido por quase todos os quadros atuais.

No geral, o tipo da bike speed tem enorme influência no desempenho na estrada e, conforme algumas definições, você deverá escolher o que se encaixa melhor no seu perfil, entre estes:

  • Racing: modelo voltado à competição ou uso geral. Quadro mais baixo, postura inclinada, com melhor aerodinâmica. Favorece performance, perdendo em conforto em longas distâncias;
  • Endurance: para competições ou pedaladas de longa distância. Frente ligeiramente mais alta que na Racing, absorve melhor irregularidades na estrada e favorece o conforto. Geralmente, tem relação de marchas maior para as escaladas;
  • Cyclocross: para percorrer trechos de estrada sem pavimentação com desenvoltura. Pneus mais largos e marchas mais leves também favorecem esse uso off-road.

Uma bike speed é um grande investimento e, como qualquer outro, vale a pena gastar um tempo pesquisando para não fazer as escolhas erradas. Siga essas nossas orientações ao considerar suas opções. Assim, você poderá desfrutar da velocidade por completo!

Curtiu nossas dicas e agora está pronto para procurar por um modelo que seja ideal para você? Assine nossa newsletter e receba muitas outras dicas no seu e-mail!