Que a prática do ciclismo é uma ótima opção para a saúde e para os cuidados com o corpo e a mente, todos nós já sabemos. Com o crescimento do interesse do público e do incentivo à utilização das bikes, todos os dias novas pessoas se arriscam a dar algumas pedaladas e passam a fazer parte do time de novos ciclistas.

No entanto, seja para profissionais ou para amadores, uma preocupação é constante durante as pedaladas: as dores no joelho.

Consideradas uns dos principais problemas para quem leva a bicicleta como profissão ou lazer, elas podem ser desencadeadas por diversos fatores e, claro, podem ser prevenidas com cuidados básicos durante a prática.

Neste post, vamos entender as causas mais comuns dessas dores, as origens desse problema, além de como preveni-las e tratá-las.

Dores no joelho: o “calcanhar de Aquiles” dos ciclistas

Pela repetição de movimentos e aplicação de força, o joelho se torna, com frequência, a parte do corpo mais comum para o surgimento de lesões em ciclistas.

Assim, não é raro o surgimento de casos de situações como tendinite patelar, síndrome da plica medial, síndrome de fricção da banda iliotibial e a mais frequente de todas, síndrome femoropatelar. Todas essas condições, apesar dos nomes complicados, têm um fator em comum: o aparecimento de dores no joelho.

Grande parte dessas doenças surgem nos ciclistas devido aos movimentos repetitivos de esticamento e dobra. Com isso, a patela sobe e desce várias vezes em contato com o ponto de articulação com o fêmur. A pressão frequente e grande aumenta as chances de lesão na área.

Na prática, essas lesões provocadas por sobrecarga ocorrem quando um tecido é exposto a uma carga repetitiva em um nível elevado, o que provoca fadiga. Quando a recuperação não é adequada, o corpo reage com uma resposta inflamatória e provoca dano ao tecido.

Fatores anatômicos podem provocar lesões

Mas não são apenas a grande pressão e a repetição constante as causadoras das lesões no joelho. Alguns fatores anatômicos podem influenciar e, inclusive, facilitar o surgimento das dores.

Em alguns casos, a assimetria de membros inferiores pode provocar dores na banda iliotibial, já que o alongamento do membro mais curto a cada pedalada exige mais do corpo do atleta. Comum nas mulheres, a pelve mais larga provoca o aumento do estresse lateral no joelho.

Para quem está começando no ciclismo, a fraqueza da região anterior da coxa — os chamados músculos quadríceps — pode levar à sobrecarga das articulações e dos tendões do joelho.

Jeito errado: os riscos de pedalar sem técnica

Não são apenas as condições do corpo do atleta as responsáveis pelas lesões e dores no joelho. Pelo contrário, maior parte das ocorrências desse tipo de situação em ciclistas ocorre por problemas e erros durante as pedaladas.

Ou seja, a falta de orientação profissional na hora de regular a bicicleta ou comprar os equipamentos corretos para a prática esportiva pode provocar as situações desagradáveis de desconforto.

Ajustes simples, como a regulação do selim, podem evitar o surgimento de dores e lesões. Se ele estiver alto demais, por exemplo, ou ainda muito para trás, haverá a extensão exagerada do joelho a cada pedalada. Isso vai provocar a inflamação de tendões da região, além da sobrecarga de articulações. Nesse caso, é comum acontecer uma dor posterior do joelho.

Já se o selim estiver muito para baixo ou para frente, acontecerá a hiperflexão do joelho, o que provoca dor anterior e estresse de uma área chamada de quadricipital.

Além da bike

E, pode acreditar, os problemas não estão apenas na bicicleta. Se a sua sapatilha estiver incorreta, dores também poderão surgir. Se os tacos do seu calçado estiverem, por exemplo, com rotação interna — ou seja, fazendo com que as pontas dos pés estejam para dentro —, poderá acontecer um estresse anterior e lateral do joelho. No caso contrário, com as pontas dos pés para fora, haverá um desgaste da região medial do joelho.

Cautela e prevenção: como evitar e tratar dores nos joelhos

Não importa se o ciclismo é a sua profissão ou o seu lazer. As dores no joelho vão incomodar bastante e trazer problemas, custos com tratamentos e outras questões que podem provocar complicações futuras. Por isso, tomar alguns cuidados pode ser o melhor caminho para evitar tudo isso.

O primeiro passo, segundo especialistas, é realizar um bike fit, aquele ajuste realizado por um profissional que adéqua a sua bicicleta ao seu corpo de forma perfeita, para garantir a sua segurança e a eficiência da sua pedalada. Com isso, os problemas relacionados ao selim, por exemplo, serão extremamente minimizados.

Somente o bike fit, porém, não é suficiente para garantir uma pedalada segura para o seu corpo. Na hora de escolher a sua bicicleta, é importante consultar um especialista, já que o tamanho correto vai garantir que não haja esforços desnecessários do seu corpo. Se o quadro da sua bicicleta for pequeno demais, por exemplo, subir o selim não adiantará para resolver os problemas de dores.

Na hora de pedalar, evite as subidas muito íngremes. Essas partes dos trajetos são um pouco perigosas para a saúde dos seus joelhos, já que sempre exigem uma força grande das articulações.

Alongamento e tratamento

Um ponto importante não só para o ciclismo, como para qualquer esporte, é o alongamento. Antes de pedalar pequenas ou longas distâncias, faça uma série de alongamentos com as pernas para evitar surpresas desagradáveis.

No seu tempo livre, faça trabalhos de fortalecimento dos músculos das pernas, principalmente da região da panturrilha e da coxa.

Caso você sinta qualquer indício de dor, não tente resolver por conta própria ou esperar que ela passe sozinha. Procure imediatamente um ortopedista para garantir um tratamento eficaz e que evitará que o problema se agrave. 

Agora que você já sabe como lidar com as dores no joelho e, principalmente, como evitá-las, continue ligado em dicas, notícias e curiosidades a respeito do mundo do ciclismo. Assine a nossa newsletter e receba, periodicamente, no seu e-mail as principais novidades sobre o universo das bikes!