Não dá para negar que o uso da bicicleta como meio de deslocamento nos grandes centros urbanos vem se tornando uma tendência mundial. Hoje ela já desponta como alternativa possível e necessária para lidar, por exemplo, com as filas de trânsito cada vez maiores ou com a poluição causada pela imensa frota de veículos motorizados.

Embora, no Brasil, o gosto pela bike ainda caminhe em um ritmo mais lento, em muitos lugares do mundo ela já é a preferida da população e do poder público. Tanto aqui quanto lá fora, ciclovias extensas e integradas à malha urbana são fundamentais para disseminar a cultura da bike.

Quer ver alguns exemplos para inspirar a sua pedalada? Continue lendo!

Amsterdã, a capital da bike

Já virou até clichê, mas, quando o assunto são cidades amigáveis para bikers, é impossível não mencionar Amsterdã. A “capital da bicicleta” tem mais de 500 quilômetros de ciclovias, percorridas diariamente por mais de meio milhão de pessoas. Lá há serviços de aluguel de bike, além de bicicletários, galpões e sinais de trânsito específicos.

Em toda a Holanda, são pelo menos 20 mil quilômetros de faixas específicas para ciclistas e, hoje, já há mais bicicletas que pessoas! Em Utrecht, por exemplo, está o maior bicicletário do mundo (com capacidade para 12500 bikes) e, em Eindhoven, há uma rotatória suspensa dedicada exclusivamente aos ciclistas.

Copenhague, a melhor cidade para ciclistas

A capital da Dinamarca — país de altíssima qualidade de vida — foi eleita pela Copenhagenize Design Company como a melhor cidade do mundo para andar de bicicleta.

E o título não é em vão: além dos mais de 400 quilômetros reservados às faixas vermelhas, a cidade aposta nas chamadas ciclovias verdes, que não têm qualquer conexão com automóveis e deixam a vida dos ciclistas muito mais segura.

É também em Copenhague que está a ciclovia mais movimentada no mundo, sobre a Ponte Dronning Louises!

Portland, que estimula mulheres no pedal

A capital do estado de Oregon, nos Estados Unidos, já foi eleita a cidade mais amigável para ciclistas — são mais de 500 km de ciclovias em uma cidade com pouco mais de 600 mil habitantes!

O incentivo para as bicicletas começou ainda na década de 1970, e há vários programas governamentais para mulheres ciclistas, além de grupos da sociedade civil dedicados a incentivar que mais mulheres pedalem.

Bogotá e os “anjos”

No quesito cultura de bike, Bogotá é a queridinha da América Latina. São mais de 350 quilômetros de ciclovias, que comportam até um milhão de ciclistas de uma só vez, e 13% das locomoções diárias da cidade já acontecem por bicicletas — tanto que o poder público já encomendou algumas bikes adaptadas ao relevo acidentado da cidade.

Além disso, existem guardas civis treinados especialmente para proteger ciclistas, os chamados “anjos”.

Buenos Aires e o aluguel gratuito de bikes

Embora ainda recente, se comparada a outras cidades, o sistema de bikes na capital dos hermanos também merece destaque. Mais de 130 quilômetros de ciclovias cortam a charmosa Buenos Aires, onde a prefeitura mantém um sistema de aluguel gratuito para a população.

Para conferir ainda mais segurança ao ciclista, existem ciclovias segregadas das faixas destinadas aos veículos motorizados, e também em ruas secundárias, onde o fluxo é menor.

Outro fator que também incrementa a cultura da bike é o convênio com universidades, ONGs e empresas, para que seus colaboradores se desloquem por bicicletas.

São Paulo e as Ciclofaixas de Lazer

A implantação de ciclovias na terra da garoa deu o que falar. De um lado, ciclistas comemoram os 328,2 quilômetros de ciclovias na cidade e exigem que a atual gestão cumpra a promessa de chegar aos 400 quilômetros implantados até o final de 2016; de outro lado, há uma resistência grande à reforma das ruas e ao aumento de gente pedalando nas grandes vias.

Mas, polêmicas à parte, o fato é que São Paulo vem se convertendo em uma cidade cada vez mais amigável a ciclistas: além das ciclovias em ascensão, é possível desfrutar das Ciclofaixas de Lazer aos domingos e até transportar as bikes nos ônibus coletivos.

Está pronto para pedalar pelo mundo? Aproveite também para conferir 7 cuidados para viajar de bike!