Ciclismo em detalhe: altimetria da Vista Chinesa

O ciclismo é um dos esportes que mais cresce no Brasil e há inúmeros percursos a serem desbravados em nosso país. No Rio de Janeiro, quem pedala, está pensando em começar ou tem algum amigo que pedala, com certeza já ouviu falar do desafio que é subir de bicicleta até a Mesa do Imperador, passando pela Vista Chinesa. O trajeto é lindo, com vistas maravilhosas, mas o que é mesmo de tirar o fôlego é a inclinação da estrada. O trecho faz parte do chamado “percurso olímpico” e será cenário de uma disputa acirrada nas Olimpíadas de 2016, quando grandes nomes do ciclismo mundial irão descer por lá em alta velocidade.

 

O começo, na rua Pacheco Leão é bem tranquilo, quase uma reta. Assim que passa a primeira praça, começa a subida. Na bifurcação, entra na estrada Dona Castorina, onde realmente começa a inclinar. Este trecho até a cachoeira é o aquecimento, porque depois daí temos que encarar quase 1,7km com inclinação média de 11%*. O silêncio e o ar puro da floresta dão a motivação para continuar. Aí enfim chega a tão esperada “curva do alívio”, onde este número cai para 5% e dá para tomar um fôlego para a parte final entre a Vista e a Mesa do Imperador. Chegando lá, o prêmio é uma vista deslumbrante da cidade, que faz tudo ter valido a pena.

(*)No ciclismo, usamos uma conta simples para definir a inclinação de uma subida: diferença de altitude dividido pela distância percorrida. Assim, obtemos um número percentual que representa o quão difícil é aquela subida. No caso da Vista, este número chega a 14% em alguns trechos!!!